Tag Archives: Cumbuca

Bar da Dona Onça: Feijoada de respeito!

27 nov

Olá, Confrade da Cumbuca! Promessa é divida, e cá estamos aqui novamente em busca da melhor feijoada de São Paulo.

Há algum tempo ouvimos falar de um bar bem tradicional, encravado no famoso “centrão” de SP. Trata-se do Bar da Dona Onça, localizado no térreo do edifício Copan.

Com atmosfera típica da antiga boemia paulistana, o bar que possui charmosas estampas de onça por todos os lados ostenta diversos prêmios, já foi considerado pela mídia como o melhor bar para debulhar uma Fejuca na Terra da Garoa.

IMG_0753.jpg

 

IMG_0764.JPG

Chegamos por volta de 12:30 no local que já estava cheio, mas sem fila de espera. Fomos atendidos pelo maitre, que prontamente nos acomodou em uma mesa para dois lugares. E aqui cabe o que foi, para nós, o ponto fraco do local: a distância entre as mesas é extremamente pequena. Este tema é, aliás, um problema de muitos bares da nossa cidade, que já foi inclusive matéria de capa da Vejinha. Uma coisa é buscar clima aconchegante, e outra coisa é fazer você praticamente se acotovelar com o cliente ao lado na hora de cortar a costelinha…

IMG_0761.JPG

(4 dedos de distância é sacanagem, né?)

 

Tentamos mudar para uma mesa maior, pois já sabíamos que a Fejuca iria ocupar todo o espaço da mesa. A tentativa foi frustrada, e acabamos ficando por lá mesmo.

Passado o desconforto inicial, tentamos relaxar e usufruir do bar. O menu do Dona Onça é repleto de coisas diferentes e voltados à uma mistura de comida de boteco com culinária brasileira de alto padrão.

Dica: o menu não tem Fejuca como opção! Você vai ter que pedir diretamente para o garçom, ok? Lá eles servem porções individuais ou para 2. A versão para 2 pessoas está R$ 79,00. (Ok, também achamos caro, mas a experiência gastronômica acabou compensando…)

Tirando a parte da mesa apertada, o serviço dos caras é de primeira. Os pequenos detalhes fizeram a diferença desde o início, a começar pela cordialidade dos garçons. Ao começar observar a mesa, avistamos uma charmosa e DELICIOSA pimenta da casa que vale a pena provar juntamente com algum quitute de entrada (dica: bolinho de espinafre. Não comemos, mas ficamos babando na porção da mesa ao lado. Coma lá e depois conte pra gente como é rs).

IMG_0754.jpg

Em poucos minutos já estávamos sendo servidos. Uma série de coisas diferentes começaram a pousar na nossa mesa, e o prato das guarnições tinha uma personalidade única, diferente de todas as outras fejucas que já comemos (e olha que não foram poucas). Juntamente com arroz e couve, o Dona Onça traz um prato de acompanhamento digno de repeteco: Maxixe, Abóbora bem cozida e “desmanchante”, laranjas bem cortadas e docinhas, e duas MARAVILHAS que não iremos esquecer tão cedo: a COSTELINHA SUÍNA FRITA e o TARTAR DE BANANA. Simplesmente não teríamos palavras para descrever o sabor destas duas delícias que estão escritas em negrito, você vai ter que ir lá e tirar as próprias conclusões. Só isso já valeria o show:

IMG_0757.JPG

(Dessa vez não sentimos falta do torresmo nem da banana à milanesa. O pessoal do Dona Onça conseguiu provar pra gente que pequenas alterações na receita original podem elevar a experiência fejuqueira…)


Depois de alguns minutos em silêncio degustando as maravilhas daí de cima, fomos finalmente ATACAR a nossa AMADA, aquela que é a razão de existência desse blog. Uma Feijoada Completa, tradicional, sem preocupações light, que a princípio chega até a assustar pela quantidade de pertences: Rabo, pé, orelha, carne seca, linguiça portuguesa, paio etc. Para um fejuqueiro mais roots, é sem dúvida um prato cheio. Para a vertente mais light (se é que existe isso quando falamos de Fejuca), confesso que vai gerar desconfiança inicial, até porque o feijão fica totalmente concentrado na parte inferior da cumbuca, o que “força” o fejuqueiro a inevitavelmente ter que transferir alguns pertences para o prato antes de buscar o feijão.

IMG_0758.jpg

IMG_0759.jpg

(A couve podia ser refogada, né?)

 

Mas o fato é que o Dona Onça realmente entende do metiê. A Fejuca, que chegou bem quentinha, é nitidamente preparada com ingredientes de altíssima qualidade e com cuidado suficiente para que você consiga perceber o sabor de cada pedacinho. E o melhor é que a sensação “pesada” não ficou presente, conseguimos comer dois pratos cada um e a caminhada até o carro ocorreu sem maiores transtornos!

Os pontos fortes ficaram para as linguiças, para a Carne Seca e para a Costelinha. A FEJUCA EM SI é um ESPETÁCULO. As guarnições, com exceção do arroz (que poderia ser um pouquiiinho mais “papa”) e da couve (que não é refogada, e estranhamente temperada com limão, deixando a impressão de estar comendo uma salada), complementam a experiência acima da média que tivemos no Dona Onça.

Ao final, pedimos um cafezinho e a conta, que chegou acompanhada de um digestivo, alguns cajuzinhos e doces de leite. Pequenos mimos que fizeram a gente praticamente esquecer que estávamos tão abarrotados pelas mesas ao lado…

Pois é, amigo! Se você está procurando uma Fejuca de RESPEITO, o Dona Onça tem tudo para te oferecer uma experiência fantástica. Ar boêmio, serviço exemplar e sabores autênticos fizeram o Dona Onça tirar 4,25 no PAFEQ e tornar-se uma das nossas prediletas até agora. Se eles resolverem este problema das mesas, provavelmente chegarão muito próximos do nosso maior índice até agora, que foi o do Paribar.

IMG_0760.JPG

IMG_0762.jpg

IMG_0763.jpg

Uma última coisa: Na semana que vem iremos nos despedir dos posts de 2011 avaliando um local MUITO TRADICIONAL da boemia paulistana. Será que vai acontecer alguma coisa em nossos corações, assim que cruzarmos a Ipiranga com a São João? Aguardem!

 

Ah, e você sabia que existe uma Fejuca francesa? Será que ela consegue brigar com a brasileiríssima feijoada? Em Dezembro, novidades internacionais!

 

Abraços Fejuqueiros,

Pri e Arthur

 

Nossa avaliação PAFEQ – Padrão FEJUCA de Qualidade

FEJUCA:  4,625
Feijão: 4,25
Paio: 4,5
Linguiças: 5
Costelinha: 5
Carne Seca: 4,5
Rabo/Pé/Orelha: 4,5

 

Guarnições: 3,95

Arroz: 3,5
Torresmo/Bacon: NA
Farofa: 3
Couve: 3,25
Molhinho de Pimenta: 4

Costelinha Frita: 5
Banana: 5

 

Ambiente: 4
Serviço: 3,5

AVALIAÇÃO GERAL PAFEQ:  4,25


Serviço

Bar da Dona Onça
Endereço: Avenida Ipiranga, 200 – São Paulo – SP
Fone: (11) 3257-2016
Feijoada para duas pessoas: R$ 79,00
Cerveja Original: R$ 9,00
Refrigerante: R$ 5,00
Possui carta de cervejas e vinhos.

 

 

 

 

 

Paribar: Grata surpresa!

11 jan

Boa tarde, Fejuqueiros de plantão!

É com muita alegria que estamos aqui para postar sobre a nossa primeira avaliação de 2011 (e a primeira do Blog).

Ontem saímos de casa por volta do meio-dia dispostos a comer uma bela fejuca, mas antes tínhamos que cumprir uma rápida missão: A Pri resolveu que PRECISAVA comprar um caderno do “Pequeno Príncipe” (vale ressaltar que ela já tem 26 anos). O problema é que o tal caderno estava em falta pela cidade toda, e após muitas pesquisas no Google ela descobriu que conseguiríamos um exemplar em uma papelaria próxima da Praça da República, centro de SP.

Resumo: o que era para ser uma rápida passada na papelaria tornou-se um inferno, pq andar de carro no centro de SP é como soltar um camundongo em um labirinto sem saída…

Como perdemos cerca de 2 horas nesse processo e às 16:30 deveríamos estar em Higienópolis para assistir um filme, pensamos: “Vamos comer por aqui mesmo…”

Ao sair da papelaria, olhamos para a frente e avistamos um local bastante agradável, com um ar meio “retrô”, típico dos bares antigos da cidade. Tratava-se do PARIBAR, uma verdadeira relíquia da boemia paulistana. Com ar totalmente bucólico, o bar está muito bem conservado. Os funcionários comentaram que o local foi reaberto há alguns anos apenas, porém já existe desde a década de 40!


IMG_0400.jpg

Por causa das férias de verão, o local estava praticamente vazio, mas já nos avisaram que normalmente é melhor chegar cedo porque a espera costuma ser grande.

Nos sentamos em uma mesa da parte interna do bar, prontamente o garçom nos deu as boas-vindas e ofereceu o cardápio. Ao fundo, um som ambiente bem suave com clássicos da MPB. Após as férias, o garçom disse que o bar voltará a fazer rodas de Chorinho para acompanhar a feijoada.

No Paribar eles optam por uma preparação mais light, ou seja, aqui você não vai encontrar pé, orelha, miúdos… O maitre afirmou que para eles as partes mais nobres da feijoada é que dão o sabor especial, o resto é “carne mais barata para ganhar dinheiro”.

Enquanto a fejuca não chegava, pedi um chopp. Perguntei qual era a marca e o garçom me solta: Karavelle. Disse que era um chopp de Indaiatuba (e eu nem sabia que em Indaiatuba se fazia chopp). Fiquei curioso e pedi um bem gelado. A Pri ficou na Coca Zero, porque Guaraná Zero em SP está quase mais difícil que encontrar papelarias que vendem caderno do “Pequeno Príncipe”. Valeu a pena! O Chopp estava bem tirado e cremoso, servindo como um bom acompanhamento para a nossa fejuca.

Depois de uns 10 minutinhos, eis que chega a porção. Aliás, QUE PORÇÃO. Lá no Paribar eles tem uma apresentação de prato diferenciada, que nós nunca tínhamos visto:



IMG_0392.jpg

 

Detalhe: Esse era apenas o MEU PRATO! A Pri tinha outro só para ela, igualzinho! Tudo muito cheiroso, quentinho, com uma apresentação realmente muito bonita!

A Fejuca então… veio BORBULHANDO, do jeito que a gente gosta, mas também não estava pelando a ponto de ficar impossível de comer. Enfim, tudo no ponto certo, pronto para ser apreciado.

Ao todo, o KIT veio composto da seguinte forma: Cada prato com duas porções generosas de arroz, farofa, banana à milanesa, couve, torresmo e bisteca. A FEJUCA veio em uma cumbuca única composta de Feijão, Carne Seca, Linguiça Calabresa, Paio e Costelinha. (só de lembrar bateu uma fome aqui…). Além disso tudo, molho de pimenta e laranjinhas.

O feijão estava delicioso, devidamente encorpado e temperado na medida certa. O torresmo, sequinho… e a menção honrosa fica para a Bisteca, que estava simplesmente maravilhosa, uma das melhores que já comemos em toda a nossa jornada “Fejuqueira”. Todas as carnes estavam bem cozidas (lá eles preparam as carnes um dia antes).

Não temos nada a reclamar! A única ressalva ficou para a Couve, pois estava bem carregada no alho (como eu não sou muito fã de comidas com muito alho, fica o aviso… Já a Pri adorou!).

O melhor de tudo é que o preço não é dos mais salgados: A Feijoada Grande (que serve até 3 pessoas) saiu por 45,40. Se você não estiver tão faminto (a), o garçom disse que a Feijoada Pequena (31,80) serve tranquilamente duas pessoas. Resumindo: Uma BELÍSSSIMA FEJUCA com um excelente custo-benefício.

Saímos de lá muito satisfeitos e com vontade de voltar. O local é limpo, o serviço muito bom, e os arredores tranquilos. Você fica com a impressão de que está voltando algumas décadas no tempo e curte um pouco do charme paulistano…


IMG_0394.jpg


Nossa avaliação “item a item”

 

– Arroz: 4,75

– Feijão: 4,6

– Farofa: 4

– Banana: 4

– Couve: 3,35

– Torresmo: 4,2

– Bisteca: 5 (Realmente MUITO BOA!!!)

– Carne Seca: 4,5

– Calabresa: 5

– Paio: 4,5

– Costelinha: 4,5

– Serviço: 4,75

– Ambiente: 4,75

– Chopp: 4

– AVALIAÇÃO GERAL:  4,42.

 

Serviço:

Paribar

End: Praça Dom José Gaspar, 42 – República – São Paulo – SP

Tel: (11) 3237-0771

Site: http://www.paribar.com.br

 

Feijoada Grande: 45,40

Feijoada Pequena: 31,80

Chopp: 4,50

Refrigerante (garrafa): 2,60